8/20/2012

Plano de Aula Berçário 1


1. Acolhida e músicas: Boa tarde coleguinha, A semana, Chamadinha: Se Eu Fosse um Peixinho, Se você está contente, O sapo não lava o pé, Fui morar numa casinha, Cachorrinho está latindo. (Você pode cantar as mesmas músicas durante a semana inteira para que as crianças aprendam a reconhecê-las e o rítmo)

2. Exploração dos objetos e brincadeiras: Permitir que as crianças brinquem livremente pela sala de estimulação, escolhendo seus brinquedos. Nesse momento a professora deve interagir com as crianças e estimular a brincadeira e o faz de conta. Enquanto brincam as crianças também podem ouvir músicas em volume baixo. (Atividade Fixa)

3. Atividade: Caixa de figuras: Confeccione três caixas com figuras em EVA grandes. Na primeira caixa coloque figuras de animais, na segunda coloque figuras de frutas e na terceira figuras diversas. As figuras devem ser grandes e coloridas. Abra as caixas com as crianças em roda e explore as figuras perguntando o nome, a cor e etc. Depois permita que as próprias crianças peguem as figuras e pergunte o nome das figuras elas pegaram.

4. Cantinho da leitura: Deixar os livros ao alcance das crianças para que elas escolham o que querem ler. Nessa idade as crianças levam os objetos à boca por isso, os livros devem ser apropriados. (Atividade fixa)

5. Lanche

6. Recreio: Brincadeira livre (área externa)

7. Desafios corporais: Faça uma pose: Crie poses diferentes para que as crianças imitem.

8. Quando voltar para sala, permita que as crianças tenham um momento de relaxamento e conte-lhes a história do dia.

9. Atividade: Se reconhecendo no espelho: Deixar as crianças diante de um espelho grande e solicitar que apontem algumas partes do corpo.

10. Aproveite a caixa de figuras dos animais agora para brincar de imitar os sons que os animais produzem.
8/15/2012

Plano de aula Berçário #2


1. Acolhida e músicas: Boa tarde coleguinha, dias da semana, chamadinha (músicas que falem o nome das crianças. Ex: “Se Eu Fosse um Peixinho”, “A Canoa Virou”, “Ciranda, Cirandinha” e “Fui ao Itororó”), Se você está contente, o sapo não lava o pé, Fui morar numa casinha.
2. Exploração dos objetos e brincadeiras: Permitir que as crianças brinquem livremente pela sala de estimulação, escolhendo seus brinquedos. Nesse momento a professora deve interagir com as crianças e estimular a brincadeira e o faz de conta. Enquanto brincam as crianças também podem ouvir músicas em volume baixo. (Atividade Fixa)
3. Atividade: Chuvinha de papel: Sente-se com a turma no chão, em torno de uma pilha de revistas e jornais velhos. Deixe que todos manipulem e rasguem as páginas livremente. Junte os papéis picados num monte e jogue tudo para o alto. Vai ser uma festa! Depois, o papel picado pode ser aproveitado em colagens ou modelagem de bonecos.
4. Cantinho da leitura: Deixar os livros ao alcance das crianças para que elas escolham o que querem ler. Nessa idade as crianças levam os objetos à boca por isso, os livros devem ser apropriados. (Atividade fixa)
5. Lanche
6. Recreio: Brincadeira livre (área externa)
7. Desafios corporais: Fazer uma roda e utilizar cantigas de roda para a brincadeira
8. Quando voltar para sala, permita que as crianças tenham um momento de relaxamento e conte-lhes a história do dia.
9. Atividade: Conversando com o fantoche: Sente-se com as crianças no chão e faça os bonecos “conversarem” com cada uma. Você pode fazer perguntas como: “Como se chama?”, “Quantos anos você tem?”, “O que fez na escola hoje?” etc.
8/13/2012

Planejamento anual Berçário e Maternal

 

Fase marcada pela descoberta gradual da percepção da gerência das próprias ações através do meio que o cerca. Assim, as atividades para esta fase, devem ser pontuadas com oportunidades em que as crianças possam gradualmente dirigir suas próprias ações, ou seja, as crianças aprendem sobre si mesmas, suas próprias competências e estabelecem uma relação de interação e confiança com o outro mais próximo, aprendendo desta forma a lidar com a realidade.
OBJETIVOS
· Transmitir ambiente acolhedor e seguro;
· Trabalhar capacidades expressivas;
· Desenvolver formas alternativas de consciência corporal;
· Relação de independência com o ambiente vivido;
· Explorar e utilizar movimentos de preensão, encaixe, lançamento, etc;
· Expressar sensações e ritmos corporais através do gestual e linguagem oral;
· Desenvolver a audição, percepção e descriminação das diversas manifestações sonoras;
· Promover o desenvolvimento da coordenação motora grossa da criança;
· Dar ênfase à musicas, parlendas, contos, historietas, rimas, conversas para o desenvolvimento da linguagem oral, etc;
· Brincar;
· Expressar desejos, sentimentos, necessidades, sentimentos, etc;
· Relacionar-se progressivamente com seus pares e os demais;
· Conhecer gradualmente seu próprio corpo, seus limites, sensações, etc;
CONTEÚDOS
· Cuidados básicos de higiene e saúde como o incentivo ao uso do banheiro/
penico (controle de esfíncteres);
· Iniciativa gradual de desconforto perante a presença de urina e fezes;
· Incentivo ao uso de escova de dente;
· Estimulação verbal, através de conversas, audição de músicas, sons de brinquedos, contos de histórias curtas, etc;
· Incentivo a garatujas através de trabalhos manuais como pintura com lápis de
cor, giz de cera e tinta guache;
· Estímulo a traçados simples para coordenação motora;
· Estimulação e reconhecimento do próprio corpo com conversas, cantos, nomear partes do corpo, etc;
· Estimulação tátil com trabalhos manuais com massinhas e argila;
· Reconhecimento visual e tátil através de objetos coloridos, vídeos e livros de
histórias com sons e coloridos;
· Incentivo e reconhecimento de brincadeiras com brinquedos do tipo encaixe e
monta-desmonta;
· Incentivo a pedir auxílio em situações cotidianas sempre que necessário;
· Apresentação de cores;
· Interesse e incentivo em novos alimentos e comer sem ajuda (segurar a colher ou copinho com as mãos);
· Músicas com gestuais e cantigas de roda;
· Brincadeiras de imitação;
· Incentivo à oralidade procurando ampliar o vocabulário com músicas, histórias, conversas, etc;
· Realizações de pequenas ações cotidianas para que obtenha autonomia gradualmente;
· Brincadeiras livres na sala, no parquinho, para que possa escolher objetos, e espaços agradáveis, etc;
· Estimular a autonomia e identidade através do reconhecimento da imagem (atividade com espelho);
· Interagir socialmente por intermédio de brincadeiras e jogos que estimulam a criança trocar objetos;
· Respeito a regras, limites e boas maneiras, etc;
· Identificação de situações de risco e seu ambiente mais próximo;
· Participação e interesse em situações que envolva a interação social;
MOVIMENTO
No plano da consciência corporal, nessa idade a criança começa a reconhecer a imagem de seu corpo, o que ocorre principalmente por meio das interações sociais que estabelece diante do espelho. Nessas situações, ela aprende a reconhecer as características físicas que integram a sua pessoa, o que é fundamental para a construção de sua identidade. RECNEI, Vol. 3, p. 23).
· Explorar o movimento do próprio corpo em brincadeiras que envolva o canto, gestos, movimentos simultâneo, etc;
· Exploração do próprio corpo nas atividades de higiene como o banho, escovação
de dentes e lavagem das mãos;
· Atividades que permita a descoberta da própria imagem e do outro refletida no espelho;
· Mímicas faciais e gestuais, caretas, imitação de bichos, onomatopeias, etc;
· Participação em brincadeiras de roda ou de danças circulares;
· Cuidado com postura e expressão corporal;
· Brincadeiras de esconder com cabaninhas, lençóis, labirintos (riscos no chão com barbante, giz,etc), texturas, areia, etc;
· Brincadeiras com materiais que propiciem a descoberta e exploração do movimento;
· “Leitura” de histórias com tapetes, almofadas, e brinquedos que convide a concentração;
AVALIAÇÃO
- A avaliação do movimento deve ser documentada observando os aspectos referentes a expressividade do movimento e sua dimensão instrumental. Neste contexto, o professor deve atualizar sempre mudanças e conquistas do aluno em questão.
MÚSICA
Aprender música significa integrar experiências que envolvam a vivência , percepção e a reflexão, encaminhando-as para níveis cada vez mais elaborados. (RECNEI, Vol. 3, p. 48).
· Exploração e produção de materiais e a escuta de obras musicais;
· Imitação de sons vocais, corporais ou produzidos por instrumentos musicais;
· Participação em brincadeiras que tenha músicas e jogos cantados sem esforço vocal;
· Interagir com brinquedos e objetos sonoros de percussão como guizos, chocalhos, blocos, sinos, tambores, etc;
· Explorar sons corporais como palmas, batidas nas pernas, pés, etc;
· Explorar a presença do silêncio como valorização do som;
· Escuta de emissoras de rádio para trabalhar a relação som e silêncio;
· Participação em jogos cantados como parlendas, acalantos, advinhas, etc;
· Utilização de diversos instrumentos de percussão como xilofones, tambores,
chocalhos, etc;
AVALIAÇÃO
- A avaliação na área da música tem um caráter instrumental, ou seja, leva-se em conta as
respostas frequentes que estão sujeitas a alterações, tendo em vista não só a forma como as crianças pensam e sentem, mas a natureza do conhecimento musical.
ARTESVISUAIS
As Artes Visuais estão presentes no cotidiano da vida infantil. Ao rabiscar e desenhar no chão, na areia e nos muros, ao utilizar materiais encontrados ao acaso (gravetos, pedras, carvão), ao pintar os e até mesmo seu próprio corpo, a criança pode utilizar-se das Artes Visuais para expressar experiências sensíveis. (RECNEI, Vol. 3, p. 85).
· Ampliação do conhecimento de mundo manipulando e explorando diferentes objetos e materiais como texturas, tecidos, massinha de farinha de trigo, tinta a base de anilina e trigo, etc;
· Observação e identificação de imagens diversas;
· Utilização de instrumentos e materiais diversos como papéis, tintas, pincéis, lápis, cola, etc;
· Oferecimento de sucatas que possam ser empilhadas, encaixadas, justapostas, etc, em atividades de jogos de construção;
· Atividades com desenho e pinturas realizadas com marcas gráficas em diferentes superfícies permitindo variadas possibilidades de impressão, inclusive no próprio corpo;
· Representação da própria imagem, sentimentos e experiências corporais;
· Utilizar diferentes tipos de objetos para imprimir imagens como pincéis, escova de dente, dedos, esponjas, canudos, carimbos, penas, giz de cera, gravetos, palitos, conta-gotas, cotonetes, pentes, barbantes, etc;
· Identificar os cuidados necessários como o contato com o próprio corpo e com o corpo dos outros nas atividades trabalhadas nesse conteúdo, principalmente boca, olhos, nariz, pele, quando do manuseio desses materiais, instrumentos e objetos para que não provoque nenhum dano a saúde da criança;
· Cuidados com materiais de uso individual e coletivo;
· Representações em desenho livre ou de foi observado;
· Estabelecer relações por meio de apreciações com seu universo coa pessoas, animais, cenas familiares, formas, linhas, etc;
· Observação de corpos em movimento pesquisados em revistas, fotos, vídeos, etc;
AVALIAÇÃO
- A avaliação na área das Artes deve ser a partir da exploração de diversos materiais e a possibilidade de expressar-se por meio deles.
LINGUAGEM ORAL E ESCRITA
Aprender uma língua não é somente aprender as palavras, mas também os seus significados culturais, e, com eles, os modos pelos quais as pessoas do seu meio sociocultural entendem, interpretam e representam a realidade. (RECNEI, Vol. 3, p. 117)
· Uso da linguagem oral em conversas e comunicação na manifestação de desejos, vontades, necessidades, sentimentos e diversas interações sociais presentes no dia-a-dia;
· Observação e manuseio de materiais impressos como livros, jornais, revistas, etc;
· Participação em situações de leitura e escrita de diferentes gêneros como histórias infantis, lendas, parlendas, etc;
· Ampliação das capacidades linguísticas na produção de palavras novas e frases com fluência;
· Desenvolvimento da linguagem escrita diante de ambiente de Letramento com jornais,
livros, gibis, rótulos, etc ;
· “Ler” jornais, revistas, gibis, encartes de jornais, histórias infantis, etc;
· Produção de textos tendo como “escriba” o (a) professor (a);
· Atividades de oralidades e escuta com músicas, parlendas, contos, versos, poemas, etc;
· Utilização de textos impressos como recurso para o Letramento como embalagens, cartazes, cartas, cartões postais, slogans, etc, tendo a preocupação de lê-los para as crianças e registrar em papel a vista quando houver necessidade;
· Utilização de variados jogos de escrita, de acordo com a faixa etária, ou letras móveis, etc;
· Utilização do gravador de voz como recurso didático para posterior audição da fala, em entrevistas, leituras de poesias, músicas, conversas, perguntas e respostas, etc;
· Uso do computador para que as crianças tenham acesso a máquina, ao teclado, edições de textos com letras, nomes, etc, sempre com o auxílio do professor (a);
AVALIAÇÃO
- A avaliação nesta área, ocorre sempre em participação de interlocução, interação e exploração da linguagem oral e também na presença de materiais escritos,desde que se vivencie o prazer.
NATUREZA E SOCIEDADE
No trabalho com esse eixo, as crianças tomam gradativamente a consciência do mundo que a cerca… Reconhece os fenômenos sociais e naturais identificadas no contexto nos quais ocorrem. (RECNEI, Vol. 3, p. 169).
· Brincadeiras vinculadas a cultura;
· Exploração e manipulação do ambiente natural (contato com plantas, animais areia, etc);
· Interação social para a construção de uma visão de mundo natural significativa;
· Possibilidade de ampliação do repertório de conhecimentos a respeito do mundo social e natural;
· Interação com adultos e crianças de idades diferenciadas em brincadeiras, exploração de espaços, contato com a natureza, etc;
· Noções básicas necessárias com o trato com animais, identificação de perigos que oferecem e higiene ao tocá-los, etc;
· Atividades que constituam experiências com as plantas, seu cultivo, cuidados, preservação, etc;
· Refletir sobre seu meio social e sua ação na sociedade e na natureza;
· Observação e percepção dos componentes da paisagem local e se possível das mudanças ocorridas nelas;
AVALIAÇÃO
- A avaliação na área da Natureza e Sociedade é entendida como fonte valiosa de informação sobre o processo de interação social e o aprendizado na exploração do ambiente imediato. O contato com a natureza é de fundamental importância para expor ideias, hipóteses e opiniões. Nesse caso, o professor(a) deve oportunizar atividades relevantes e prazerosas para que possa haver um verdadeiro exercício de avaliação.
MATEMÁTICA
As noções matemáticas (contagem, relações quantitativas e espaciais, etc) são construídas pelas crianças a partir das experiências proporcionadas pelas interações com o meio, pelo
intercâmbio com outras pessoas que possuem interesses, conhecimentos e necessidades que podem ser compartilhados. As crianças têm e podem ter várias experiências com o universo matemático e outros que lhes permitem fazer descobertas, tecer relações, organizar o pensamento, o raciocínio lógico, situar-se e localizar-se espacialmente. (RECNEI, Vol. 3, p. 213).
· Utilização de contagem oral de números em músicas, jogos cantados, brincadeiras, etc para que reconheçam que estas estão presentes no cotidiano;
· Comunicação, manipulação e exploração de quantidades numéricas utilizando a linguagem oral;
· Observação de escritas numéricas nos diferentes contextos em que se encontram;
· Utilização de circuitos numéricos para andar, pular, correr;
· Refletir e identificar sobre as possibilidades de estabelecer variadas relações de comparação, quantidades, representações mentais, etc;
· Noção da relação dos conceitos matemáticos entre objeto e quantidade;
· Atividades como construções de torres, pistas de carrinhos e cidades com
blocos de madeira ou encaixe para representar o espaço numa outra dimensão;
· Organizar espaços com brinquedos e objetos que contenham números como telefones, relógios, máquina de calcular, etc;
· Utilização do recurso do tempo com calendários, números de alunos presentes e ausentes na chamadinha, contagem de quantos dias faltam para o aniversário ou qualquer outro evento, etc;
· Comparações do tamanho dos pés, altura, pesam em gráficos;
· Utilização de jogos com números;
· Contagem oral e visual de sequência numérica;
AVALIAÇÃO
- A avaliação nessa faixa etária está centrada na relação de diálogo na resolução de problemas, responder perguntas, comunicar e registrar e comunicar qualquer ideia matemática.
Pedagoga
Cecília Alcântara


























































































































PROPOSTA PEDAGÓGICA ANUAL PARA BERÇÁRIO



Olá pessoal! 
Essa proposta pedagógica também é do Blog da Ana Santos. Passem lá e confiram o Blog tem muita coisa bacana. O link está aqui http://apdsantos.blogspot.com.br/2009/08/proposta-pedagogica-anual-para-bercario.html
Referencial Teórico
A Educação Infantil trata essencialmente do desenvolvimento do aluno como ser
humano, considerando fatores intrínsecos do mesmo bem como aqueles que o
circundam. Nesse processo educacional, levam-se em conta aspectos individuais como
a capacidade cognitiva, afetiva, social e motora, os interesses e as necessidades.
Embora esteja fundamentada nos aspectos individuais, o contato com outros
seres humanos viabiliza a compreensão de que é necessário considerar o outro como
um ser que também tem desejos e características próprias. Isto implica tornar a criança
um ser social, isto é, um ser que, à medida que compreende a existência do outro,
busca conciliar suas necessidades com as do outro.
A interdisciplinaridade aplicada no processo educacional infantil tem por escopo
criar vínculos entre as áreas de trabalho específicas, isto é, todas as atividades
envolvem mais de uma dessas áreas. As diversas linguagens são utilizadas em uma
única atividade. As linguagens a que nos referimos são: corporal, oral, escrita, plástica
e musical.
O processo de conhecimento ocorre principalmente através do lúdico, que é
utilizado como uma forma de estimular, gerando o prazer, a curiosidade, o que remete a
criança à descoberta. Enfim, enquanto a criança brinca, ela está em permanente
contato e interação com os fatores externos, com as outras crianças e, por
conseqüência, com as relações existentes entre os diversos objetos e ela.
O papel do educador neste processo pode ser dividido em três aspectos
fundamentais: mediar, orientar e propor desafios. Isto ocorre da seguinte maneira: são
oferecidos à criança informações, dados e conhecimentos que servem tanto de
pressupostos para incitar a sua curiosidade bem como fazem-na inferir novos
conhecimentos. Estas informações e desafios instigam a criança, e desta forma ela
começa a indagar, investigar, duvidar, observar, criar. Sugere-se quais informações
serão propostas através de questões de sala de aula, da família e do contexto no qual
as crianças estão inseridas. Há um planejamento básico que estabelece o conteúdo a
ser oferecido; entretanto, este se flexibiliza de acordo com o diagnóstico e as
necessidades de cada turma.
Na Educação Infantil o planejamento é considerado como o primeiro passo do
processo ensino-aprendizagem, pois é a possibilidade do professor revelar sua
intenção educativa, demonstrar seus princípios, metas, objetivos e analisar quais as
necessidades reais da vida dos alunos, suas capacidades cognoscentes e o que
realmente é significativo no contexto social de seu grupo. O planejamento deve buscar
o equilíbrio entre tradição e inovação para cada área do conhecimento, possibilitando
inaugurar o que é novo e prazeroso para os alunos.
O objetivo proposto por este referencial de nenhuma maneira é moldar a criança.
É exatamente o contrário. A criança tem espaço para criar, descobrir, brincar, sonhar,
enfim, ser criança. O que se busca é o respeito mútuo observando a individualidade de
cada um.
Justificativa
A proposta pedagógica apropriada à faixa etária dos 0 (zero) aos 2 (dois) anos,
deve atender às necessidades pessoais: de afeto, sono, alimentação, higiene e de
estimulação para o desenvolvimento global da criança. Torna-se imprescindível
proporcionar um ambiente acolhedor, afetivo e lúdico; oportunizar atividades para a
estimulação de suas diversas linguagens (corporal, oral, escrita, plástica e musical) e
competências. Possibilitar a exploração das sensações, percepções, movimentos e o
conhecimento do seu próprio corpo, sua integração ao meio e as pessoas.
Características da Faixa Etária
(6 a 9 meses)
- Mantêm-se sentado sozinho por um certo tempo;
- Arrasta-se para aproximar-se de uma pessoa ou objeto;
- Se for sustentado fica de pé;
- Passa um objeto de uma mão para outra;
- Pega um objeto em cada mão;
- Pega um pequeno objeto sobre o polegar e o indicador;
- Brinca jogando os objetos;
- Vocaliza sílabas sem significação verbal;
- Reconhece pessoas de sua família;
- Estranha rostos diferentes;
- Começa a participar de jogos de relação (esconde-esconde, bater palmas);
- Fixa sua imagem no espelho;
- Constrói as noções e conceitos de objetos, espaço e tempo através da ação e
movimentos.
(9 a12 meses)
- Fica em pé sozinho e anda seguro por duas mãos, depois por uma ou apoiado num
móvel;
- Imita ruídos;
- Repete um som que ouviu;
- Entende uma ordem simples ou não;
- Explora o mundo, olha e toca tudo, levando tudo à boca;
- Participa de jogos simples com adultos;
- Aprende a pronunciar duas ou três palavras.
(1 a 2 anos)
- Assenta-se sozinha;
- Fica em pé sozinho sem apoio e começa a andar sozinha;
- Aprende a comer sozinha e beber no copo;
- Começa a reconhecer partes do seu corpo;
- Sobe e desce escadas colocando os dois pés em cada degrau;
- Interessa-se por animais;
- Começa a socializar-se através de manifestações de ciúmes, rivalidade e
agressividade;
- É impulsiva e egocêntrica;
- Seu tempo de concentração é curto;
- Ainda não controla sua força e defende-se com seu corpo;
- Interesses, sentimentos e valores são ainda instáveis e não se conservam para uma
próxima situação;
- Folheia revistas e livros, às vezes rasga-os;
- Imita os adultos;
- Regras e normas precisam ser lembradas constantemente;
- Constrói as noções e conceitos de objetos, espaço e tempo através da ação e
movimentos;
- Gosta de brincar sozinha e já começa a criar autonomia;
- Precisa sentir-se segura no ambiente;
- Chora com facilidade;
- Evolui a linguagem verbal e ampliação do vocabulário;
- Inicia o controle dos esfíncteres;
- Intercala atividades tranqüilas e agitadas;
- Fala de coisas ausentes e usa de três a quatro palavras por sentença;
- Começa a ouvir com atenção pequenas narrativas baseadas em gravuras, livros
coloridos e ilustrados;
- Acompanha música com o corpo e executa movimentos ritmados;
- Revela grande interesse por brinquedos de puxar, empurrar e arrastar;
- Revela grande interesse na manipulação de objetos, “vê com as mãos” e mexe em
tudo.
Viabilizar o processo de desenvolvimento integral e de aprendizagem das
crianças, considerando suas características etárias, capacidades físicas, cognitivas,
afetivas, sociais, interesses e necessidades, através de vivências que favoreçam o
conhecimento de si (identidade e autonomia), o conhecimento do meio (físico e social)
e o conhecimento das relações com o meio (comunicação e representação) para
favorecer a formação pessoal e social e ampliar sua compreensão e visão de mundo.
Objetivos Específicos
- Possibilitar o brincar, o jogo simbólico, o desenho e a manifestação das diversas
linguagens como uma forma de estimular a curiosidade, a descoberta, a
criatividade e a capacidade expressiva.
- Propiciar a observação, exploração e interação com objetos, pares e adultos para
ampliar o conhecimento do mundo que a cerca e perceber-se como um ser social,
agente transformador de suas relações e do meio-ambiente.
- Oportunizar momentos para expressão de sentimentos, emoções, necessidades,
desejos, compreensão de si mesma e dos outros para favorecer a construção da
auto-estima e contribuir no desenvolvimento afetivo-emocional.
- Incentivar e valorizar atitudes favoráveis à convivência social para contribuir no
desenvolvimento da auto-estima, da autonomia moral, da relação interpessoal e de
inserção social.
- Promover jogos, vivências e atividades lúdicas que estimulem o desenvolvimento
motor para ampliar gradativamente o controle sobre seu próprio corpo e
movimentos, adquirir respeito pelas suas potencialidades, limites e integridade
física e para aperfeiçoar suas habilidades manuais.
- Favorecer a participação das crianças no planejamento das atividades, visando o
desenvolvimento da autonomia e independência em suas ações.
- Favorecer e consolidar a autonomia das crianças no que se refere ao vestuário,
hábitos de higiene e alimentação, cuidados com seus pertences e os da escola.
Conteúdos Pedagógicos
A Educação Infantil tem como proposta estimular o desenvolvimento da criança
em seus aspectos: físico, afetivo, psicológico, intelectual, social e cultural. Para
viabilizar o processo ensino-aprendizagem e o desenvolvimento integral da criança de
uma maneira mais enriquecedora e significativa utiliza-se como metodologia o trabalho
com projetos semestrais e/ou anuais. Estes projetos consistem em conjuntos de
atividades elaborados pelo professor e baseiam-se tanto no interesse dos alunos, como
na sistemática escolar que envolve a abrangência dos conteúdos básicos baseados nos
eixos de trabalho do Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Estes
eixos baseiam-se nos seguintes âmbitos de experiência: Formação Pessoal e social
que favorece os processos de construção da identidade e autonomia das crianças; e
Conhecimento de mundo que favorece a construção das diferentes linguagens pelas
crianças e para as relações que estabelecem com os objetos de conhecimento
relacionados a Música, Movimento, Artes Visuais, Linguagem Oral e Escrita, Natureza e
Sociedade e Matemática.
Os projetos são trabalhados de forma intencional e integram os conteúdos
conceituais, atitudinais e procedimentais de forma interdisciplinar, possuem uma
duração que pode variar conforme o objetivo, o desenrolar de várias etapas, o desejo e
o interesse das crianças por isto comportam uma grande dose de imprevisibilidade,
podendo ser alterado quando necessário. Os conteúdos e projetos são gerenciados
pelo professor através do planejamento semestral para o estabelecimento de objetivos
com relação à aprendizagem, a definição de estratégias e os resultados esperados
para cada nível da Educação Infantil.
A construção de um projeto acontece de forma coletiva, o que possibilita tornar o
aluno responsável e sujeito pela própria aprendizagem. As condições para a busca do
conhecimento e o enriquecimento de vivências são organizadas de forma reflexiva pelo
professor, através do planejamento, da seleção dos conteúdos conceituais,
procedimentais e atitudinais, e da adaptação à realidade dos alunos. Todos os
conteúdos são trabalhados de forma integrada, para que sejam significativos.
Os conteúdos conceituais dizem respeito ao conhecimento de conceitos, fatos,
símbolos, idéias, imagens, representações, princípios e permitem o aluno atribuir
sentindo a realidade. Os conteúdos procedimentais se referem às técnicas, métodos,
destrezas, habilidades; estão relacionados ao aprender a fazer e possibilitam o aluno
apropriar-se de ferramentas da cultura humana, necessários para viver.
Os conteúdos atitudinais que estão associados a valores, atitudes e normas. Estes
quando ensinados possibilitam às crianças a lidar com os diversos desafios da vida e
as completam como seres humanos.
Os projetos de trabalhos proporcionam a ampliação gradativa das capacidades e
habilidades, pois possibilitam a criança aprender a aprender, a fazer, a ser e a
conviver consigo mesma e com os outros.
Nesta relação ensino-aprendizagem privilegia-se o contexto lúdico e
consideram-se as brincadeiras espontâneas, o jogo, o movimento, a dança, a música, a
manipulação de diversos materiais, as atividades livres e dirigidas como ferramentas
para a apropriação de conhecimento.
A rotina diária é organizada abrangendo as aulas especializadas do nível
(música, Educação Física, biblioteca, Ensino Religioso) e a s atividades livres e
dirigidas como:
- Recepção ou lugar de encontro: Momento em que a criança chega e faz opção
entre as diferentes atividades sugeridas. Momento livre para "bate-papos", jogos,
novidades e surpresas.
- Rodinha: Momento da proximidade física e afetiva entre professor/aluno,
aluno/aluno e serve para apresentação de forma concreta do conteúdo. É o
momento de estímulos, atenção, observação, investigação, constatação,
experimentação, comunicação oral, respeito, regras e questionamentos.
- História: momento de despertar o gosto pela leitura, enriquecer o vocabulário,
estimular a atenção, a imaginação, a observação, memória e reflexão.
- Parque: Momento onde o professor observa o relacionamento aluno/aluno, a fim de
favorecer a independência e socialização. Cabe ao professor orientar sua turma, a
fim de zelar e organizar o parque (segurança dos brinquedos, caixa de areia,
casinha de bonecas, motocas).
- Lanche: Ocorre de forma coletiva. Todas as sextas-feiras são registrados na
agenda os pedidos que devem ser entregues pelas famílias até na terça-feira da
semana seguinte. O lanche é preparado no Colégio pela cozinheira que se baseia
no cardápio elaborado pela nutricionista. A criança experimenta diferentes sabores,
ricos em propriedades nutritivas e aprende a servir-se.
Conteúdos Específicos
Movimento
- Reconhecimento progressivo dos segmentos e elementos do próprio corpo por
meio da exploração, das brincadeiras e da interação com os outros;
- Expressão de sensações e ritmos corporais por meio de gestos, posturas e
movimentos;
- Exploração de diferentes materiais que oportunizem contatos sensoriais
diversificados;
- Exploração de diferentes posturas corporais, como sentar-se em diferentes
inclinações, deitar-se em diferentes posições, ficar em pé apoiado na planta dos pés
com ou sem ajuda;
- Ampliação progressiva da destreza para deslocar-se no espaço por meio da
possibilidade constante de arrastar-se, engatinhar, rolar, andar, correr e saltar;
- Aperfeiçoamento dos gestos relacionados com a preensão, o encaixe, o traçado no
desenho, o lançamento, através da experimentação e utilização de suas habilidades
manuais em diversas situações cotidianas;
- Percepção do próprio corpo, a consciência corporal, a nomeação e identificação das
partes do corpo, o esquema e imagem corporal;
- Percepção espacial do corpo e objetos, do corpo e outras pessoas, do corpo e
outros seres vivos, de objeto e objetos;
- Conhecimento de conceitos como: atrás, à frente, em cima, embaixo, lados, dentro,
fora, perto, meio;
- Percepção temporal explorando noções de duração; sucessão, velocidade e de
tempo;
- Lateralidade através de diversas situações propiciar a percepção das diferentes
direções;
- Equilíbrio estático (dois pés, um pé, sobre objetos) e dinâmico (sem obstáculos,
com obstáculos);
- Coordenação motora ampla (tônus muscular, percepção cinestésica, translação,
rotação, coordenação viso-motora);
- Coordenação motora fina (coordenação viso-manual, coordenação digito-manual:
preensão palmar simples, preensão palmar pinça inferior, preensão palmar pinça
superior);
- Relaxamento global e segmentado (mãos, braços, pés, cabeça, pescoço, tronco);
- Ritmo na experiência corporal (respiração, batimentos cardíacos, deglutição), na
movimentação (rápido, devagar, curto, longo, cadenciamento), na musicalização
(noção de tempos rítmicos como duração, sucessão, alternância);
- Percepção visual ( figura-fundo, formas, tamanho, cores e posições);
- Percepção olfativa (diferenciação e discriminação de odores);
- Percepção gustativa ( diferenciação e experimentação de sabores);
- Percepção auditiva de diversas experiências sonoras(ruídos do próprio corpo e de
objetos, instrumentos, do ambiente);
- Percepção termo-tátil através experiências sensoriais( com o corpo, mãos, dedos,
pés, língua) diferenciação de texturas(áspero, liso, macio, duro), diferenciação de
temperatura (quente, frio, morno, gelado), diferenciação de tamanho, diferenciação
de forma e diferenciação de massa;
- Manipulação de materiais, objetos e brinquedos diversos para aperfeiçoamento de
suas habilidades manuais;
- Valorizar brincadeiras que envolvam simultaneamente o canto e o movimento;
- Percepção das sensações, limites, potencialidades do próprio corpo.
Artes
- Exploração e manipulação de diversos materiais e texturas como: lápis, giz, pincéis,
carimbo, tinta, argila, papel, papelão, jornal, caixas, madeira, lixas etc;
- Exploração e reconhecimento de diferentes movimentos gestuais com diversas
partes do corpo, visando a produção de marcas gráficas;
- Explorar as diferentes formas de contato com os materiais e suportes de artes e os
cuidados necessários com o corpo e o manuseio dos materiais;
- Observação e identificação de imagens e produções artísticas diversas;
- Conhecimento da diversidade de produções artísticas, como desenho, pinturas,
construções, colagens, ilustrações, etc;
- Apreciação das próprias produções artísticas, das outras crianças através da
observação e exposição;
- Favorecer o uso de diferentes materiais pelas crianças, individualmente e em
grupo, fazendo com que estes sejam percebidos em sua diversidade, manipulados
e transformados;
- Incentivar a valorização da ação artística e o respeito a diversidade de criações.
Música
- Participação em jogos e brincadeiras que envolvam a dança e/ou a improvisação
musical;
- Participação em situações que integrem músicas, canções, jogos cantados, rítmicos
e movimentos corporais;
- Escuta de obras musicais de diversos gêneros, estilos, épocas e culturas;
- Exploração, expressão e produção dos sons com a voz, o corpo, o entorno e
diversos materiais e instrumentos;
- Interpretação de músicas e canções diversas;
- Repertório de canções para desenvolver a memória auditiva e musical;
- Participação em contextos musicais em diferentes características geradas pelo
silêncio e pelos sons: altura (grave e agudo), duração (curtos e largos), intensidade
(fracos e fortes) e timbre (característica que distingue e personaliza cada som);
- Valorização da ação artística e o respeito pela diversidade;
- Favorecer o uso de diferentes materiais pelas crianças, fazendo com que estes
sejam percebidos em sua diversidade, manipulados e transformados.
Linguagem Oral e Escrita
- Observação e manuseio de materiais impressos como livros, revistas, histórias, etc;
- Oportunizar situações e momentos que favoreçam o uso da linguagem oral para
conversar, comunicar, relatar suas vivências e expressar desejos, vontades,
necessidades e sentimentos;
- Criar momentos e espaços para favorecer e aperfeiçoar o jogo simbólico, mímicas e
novas formas de interação com a linguagem;
- Proporcionar momentos que favoreçam a fluência, expressão, articulação
vocalização de vogais, monossílabos, dissílabos e a representação sonora
onomatopéica;
- Participação nas situações em que os adultos lêem textos de diferentes gêneros
como contos, histórias, poemas, notícias de jornal, informativos, versos, quadrinhas
parlendas, trava-línguas, etc
- Oportunizar momentos de grafismos como expressão de idéias e sentimentos;
- Participação em situações que as crianças leiam imagens, gravuras, rótulos de
embalagens e símbolos.
Matemática
- Utilização da contagem oral, de noções de quantidade, de tempo e espaço em
jogos, brincadeiras, música nas e situações nas quais os professores e crianças
reconheçam sua necessidade;
- Manipulação e exploração de objetos e brinquedos, em situações organizadas de
forma a existirem quantidades individuais para que cada criança possa descobrir as
características e propriedades principais e suas possibilidades associativas
empilhar, rolar, transvasar e encaixar;
- Propiciar brincadeiras e cantigas que incluem diferentes formas de contagem,
comparação e associação;
- Possibilitar a manipulação e o contato com as formas geométricas planas de
diferentes texturas;
- Utilização de noções simples de tamanho, capacidade, formas, classificação,
seqüência, seriação; igualdade e diferença, inclusão de classes;
- Possibilitar atividades, brincadeiras que explorem de forma simples a
correspondência termo a termo, a igualdade e diferença;
- Possibilitar momentos para a verbalização, ações e tentativas de resolução das
situações problemas na rotina diária pelas crianças;
- Identificação da posição de um objeto ou um número numa série, explicitando a
noção de sucessor e antecessor;
- Utilização de brincadeiras e jogos; cantigas que incluem diferentes formas de
contagem como "um, dois, feijão com arroz", "a galinha do vizinho", "1, 2, 3
indiozinhos", etc
Natureza e Sociedade
- Prioritariamente, os conteúdos serão trabalhados em forma de pequenos projetos,
levando em consideração a relevância social e vínculo com as práticas sociais
significativas, o grau de significado para as crianças e a possibilidade de ampliação
de repertório de conhecimentos a respeito do mundo social e natural;
- Participação em atividades que envolvam histórias, brincadeiras, jogos e canções
que digam respeito às tradições culturais de sua comunidade e de outros grupos;
- Exploração de diferentes objetos, de suas propriedades e de relações simples de
causa e efeito;
- Proporcionar o contato com pequenos animais e plantas;
- Conhecimento do próprio corpo por meio do uso da exploração de suas habilidades
físicas, motoras e perceptivas.
Formação Pessoal e Social
- Encorajar e desafiar a criança a autonomia (banheiro, escolha de alimentos, lavar
as mãos, expressar suas necessidades);
- Participação na realização de pequenas tarefas do cotidiano que envolvam ações
de cooperação, solidariedade e ajuda na relação com o outro;
- Observar a necessidade de atendimento permanente individualizado, prestando
atenção às reações de cada criança e do grupo;
- Oportunizar a formação de grupos através da relação afetiva professor x criança;
- Formar vínculo de afeto e confiança mútua entre adulto e criança;
- Comunicação, expressão, manifestação e controle progressivo de suas
necessidades, desejos, desagrados, preferências, vontades e sentimentos em
brincadeiras e nas situações cotidianas;
- Reconhecimento progressivo do próprio corpo e das diferentes sensações e ritmos
que produz;
- Identificação progressiva de algumas singularidades próprias e das pessoas com as
quais convive no seu cotidiano em situações de interação;
- Iniciativa para pedir ajuda nas situações em que isso se fizer necessário e para
resolver pequenos problemas do cotidiano;
- Realização de pequenas ações cotidianas ao seu alcance para que adquira maior
independência;
- Interesse pelas brincadeiras e pela exploração de diferentes brinquedos;
- Participação em brincadeiras de “esconder e achar” e em brincadeiras de imitação;
- Participação em situações de brincadeiras nas quais as crianças escolham os
brinquedos, parceiros, os objetos, os temas, o espaço e as personagens;
- Valorização do diálogo como forma a lidar com o conflito;
- Desenvolver hábitos iniciais de higiene e alimentação;
- Conhecimento, respeito e utilização de algumas regras elementares de convívio
social.
- Valorização dos cuidados como os materiais de uso individual e coletivo;
- Favorecer o entendimento da necessidade de se fazer algumas "negociações",
através do plano de ação que a fará perceber o outro;
- Expressão e manifestação de desconforto relativo à presença de urina e fezes nas
fraldas;
- Interesse em desprender-se das fraldas e utilizar o penico e o vaso sanitário;
- Interesse em experimentar novos alimentos e comer sem ajuda;
- Favorecer o entendimento de situações de risco no seu ambiente mais próximo.
Ensino Religioso
Os conteúdos serão trabalhados semanalmente baseando-se em projetos e nos
elementos fundantes de base confessional evangélico-luterana que tem como objetivo
uma educação comunitária que se preocupa com questões, práticas e valores voltados
para a vida comunitária e cidadã, na justiça e defesa da dignidade do ser humano, no
respeito e abertura à um diálogo inter-religioso e ecumênico. Os conteúdos abrangem
os seguintes elementos:
Educação como testemunho, denúncia, anúncio e serviço
- Educação baseada no diálogo, como método, na autocrítica como modelo de ação,
na inovação como forma e na honestidade como norma;
- Interação entre comunidade escolar e eclesial;
- Comprometimento com os pais e com a educação que prioriza a vida;
- Envolvimento da sociedade nos projetos escolares;
- Criticidade frente à globalização;
- Estímulo à pesquisa, sem idolatria à ciência;
- Inclusão do calendário Litúrgico no planejamento anual.
Somente Jesus Cristo pela escritura, pela Fé e Graça
- Reflexão contextualizada da Bíblia;
- Amor a Deus, ao próximo e a si mesmo;
- Incentivo aos dons nas vocações e profissões;
- Promoção da espiritualidade para a plenificação da vida;
- Vivências de paz, esperança, justiça e amor.
Consciência da qualidade de vida no contexto da criação
- Valorização do ser sobre o ter;
- Caracterização do homo como ser biológico, psicológico, social e transcendente
enquanto digno, livre, finito, histórico e inconcluso, simultaneamente justo e
pecador;
- Educação para a saúde enfatizando o diálogo sobre as dependências químicas e os
desvios sociais;
- Educação sexual com ênfase no amor, no respeito e responsabilidade;
- Relação responsável do ser –humano com o meio ambiente;
- Incentivo das artes e dos esportes na formação integral do ser humano.
A escola como fomentadora de lideranças (apóstolos, mestres, evangelistas,
profetas e autoridades comprometidas com a vida)
- Formação de alunos, professores e funcionários, com vistas à atuação na
sociedade, como agentes de transformação;
- Convívio com as diferenças étnicas, culturais e sociais;
- Maior inserção no contexto da cultura regional brasileira;
- Diálogo interreligioso tendo como referencial a confessionalidade evangélicoluterana
;
- testemunho da ética como ação e postura libertadora, solidária e justa.
Educação Física
- Exploração de diferentes posturas corporais, como sentar-se em diferentes
inclinações, deitar-se em diferentes posições, ficar em pé apoiado na planta dos
pés com ou sem ajuda;
- Ampliação progressiva da destreza para deslocar-se no espaço por meio da
possibilidade constante de arrastar-se, engatinhar, rolar, andar, correr e saltar;
- Percepção do próprio corpo, a consciência corporal, a nomeação e identificação
das partes do corpo, o esquema e imagem corporal;
- Percepção espacial do corpo e objetos, do corpo e outras pessoas, do corpo e
outros seres vivos, de objeto e objetos;
- Conhecimento de conceitos como: atrás, à frente, em cima, embaixo, lados, dentro,
fora, perto, meio;
- Percepção temporal explorando noções de duração; sucessão, velocidade e de
tempo;
- Lateralidade através de diversas situações propiciar a percepção das diferentes
direções;
- Equilíbrio estático (dois pés, um pé, sobre objetos) e dinâmico (sem obstáculos,
com obstáculos);
- Coordenação motora ampla (tônus muscular, percepção cinestésica, translação,
rotação, coordenação viso-motora);
- Coordenação motora fina (coordenação viso-manual, coordenação digito-manual:
preensão palmar simples, preensão palmar pinça inferior, preensão palmar pinça
superior);
- Relaxamento global e segmentado (mãos, braços, pés, cabeça, pescoço, tronco);
- Ritmo na experiência corporal (respiração, batimentos cardíacos, deglutição), na
movimentação (rápido, devagar, curto, longo, cadenciamento), na musicalização
(noção de tempos rítmicos como duração, sucessão, alternância);
- Manipulação de materiais, objetos e brinquedos diversos para aperfeiçoamento de
suas habilidades manuais;
- Valorizar brincadeiras que envolvam simultaneamente o canto e o movimento;
- Percepção das sensações, limites, potencialidades do próprio corpo.
Avaliação
A avaliação possibilita ao professor definir critérios para planejar atividades e
criar situações que gerem avanços na aprendizagem, dentro do previsto nos projetos.
Portanto, se constitui como instrumento voltado para reorientar a prática educativa,
devendo ser sistemática e contínua até o término do projeto. A avaliação permanente
do professor que busca compreender as reações da criança diante das atividades e
desafios que lhe são propostos ao longo do semestre, possibilita a análise do que foi
proposto e do que ainda se deve propor; e identificar as necessidades do grupo para a
intensificação de alguns conteúdos significativos.
A avaliação também tem como objetivos informar aos pais o desempenho
escolar dos filhos, prevenir distúrbios da aprendizagem e arrolar dados informativos
para especialistas.
No final de cada semestre é realizado um relatório escrito baseado nas
observações das características próprias de cada criança em seus aspectos: social,
emocional, psicomotor, cognitivo na sua participação nas atividades que abrangeram
as diferentes áreas do conhecimento e diversas linguagens (corporal, oral, escrita,
artística, matemática, plástica e musical e no Programa de estimulação: conjunto de
atividades realizadas com a criança menores de 1(um) ano e 4(quatro) meses.
Esse programa é avaliado mensalmente a fim de intensificar o trabalho ou
avançá-lo a partir da observação permanente do professor que busca compreender as
reações da criança diante das atividades e desafios que lhe são propostos ao longo do
semestre.
O relatório fica anexado juntamente com a ficha de identificação do aluno nos
arquivos da escola e repassado de forma oral, no final de cada semestre para os pais,
com a solicitação de encaminhamentos quando necessário. Ao final de cada ano letivo
o professor através de sua observação, encaminha à família um parecer descritivo
sobre o desenvolvimento do aluno no grupo e registra no sistema virtual do portal Bom
Jesus/Ielusc.
Referência Bibliográfica
BRASIL, Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria da Educação
Fundamental. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil - Volume 1,
2 e 3. Brasília: MEC/SEF, 1998.

Planejamento anual Berçário - Modelo 2



Olá pessoal! Pesquisando pela Net encontrei o Blog Minhas curiosidades da Ana Santos e trouxe esse material para compartilhar. Conhecendo diferentes modelos fica melhor para criarmos o nosso.


OBJETIVO:
Proporcionar as crianças um ambiente lúdico que venha promover os seus desenvolvimentos psíquicos, físicos, sociais e emocionais, respeitando sua maturidade.
É através das brincadeiras que as crianças aprendem, usam a imaginação, experimentam o mundo, desenvolvem sua coordenação motora, suas habilidades visuais e auditivas.
Incentivar o uso do raciocínio através de brincadeiras recreativas (faz-deconta) valoriza a auto-estima da criança.

ADAPTAÇÃO:
Sabe-se que o primeiro contato que a criança tem com a escola é um momento único e especial, tanto para a família quanto para a escola. Partindo desse pressuposto, é fundamental que o educador receba as crianças com o maior afeto possível, demonstrando simpatia e principalmente mostrando segurança para os pequenos iniciantes do convívio escolar.

MOVIMENTO:
CONTEÚDO:
- Reconhecimento do próprio corpo;
- Expressão de sensações e ritmos corporais;
- Exploração de diferentes posturas corporais e agilidade de deslocar-se no espaço;
- Exploração e utilização de movimentos de preensão, encaixe, lançamento, etc;
HABILIDADES:
- Identificar o próprio corpo;
- Perceber, imitar e produzir sons e ritmos utilizando o corpo e diferentes materiais;
- Deslocar-se no espaço de diferentes maneiras e com diferentes graus de autonomia;
- Explorar e controlar os movimentos corporais;
- Coordenar os movimentos do corpo;
- Desenvolver memória musical.
NOÇÕES:
- Do próprio corpo;
- Do deslocamento do próprio corpo no espaço;
- Controle (domínio) do próprio corpo;
- Das mãos como instrumento para relaciona-se com o mundo e comunicar-se;
VALORES:
- Identidade;
- Expressão pessoal de sentimentos;
- Autonomia e autoconfiança;
- Autonomia e comunicação;
ATIVIDADES:
- Nomeação de partes do corpo no banho e na música;
- Brincadeira, dança música, imitação, ritmos e sentimentos.
- Andar, correr, pular, trepar, escorregar, saltar, rolar, sentar, engatinhar, arrastar,
- Abrir, fechar, empilhar, encaixar, etc;
- Brincadeiras com bolas, blocos, sucatas, etc;
- Batucar, bater palmas, tocar instrumentos;
- Faz-de-conta.
INSTRUMENTOS:
- Gestos, linguagem, esponja, música;
- Caixas, bolas, blocos, chocalhos, etc.
LOCAL:
- Sala, solário, sala de recreação, trocador.

MÚSICA:
CONTEUDOS:
- Exploração, expressão de sons e silencio com a voz e materiais diversos;
- Participação em situações que integram música, movimento e canção;
HABILIDADES:
- Perceber, imitar e produzir sons utilizando diversos materiais;
NOÇÕES:
- De sons, expressando com o corpo e materiais diversos;
- Da possibilidade de expressão de ritmo através do movimento;
VALORES:
- Autocontrole e autonomia;
- Socialização e prazer musical;
- Sociabilidade;
ATIVIDADES:
- Cantar, batucar, bater palmas;
- Ouvir musica de diferentes estilos e expressar sentimentos;
- Brincadeiras com musicas;
- Danças em grupo ou individual;
INSTRUMENTOS:
- Chocalhos, instrumentos diversos, sucatas e objetos diversos;
- Cds, vídeos, rádio;
- Instrumentos musicais;
LOCAL:
- Ambientes externos e internos;
- Sala, solário e sala de recreação;

ARTES VISUAIS:
CONTEÚDO:
- Exploração e manipulação de materiais
- Observação e identificação de imagens diversas.
HABILIDADES
- Perceber através dos sentidos as diferenças entre materiais, objetos e brinquedos;
- Observar, identificar imagens.
ATIVIDADES
- Observação e identificação de imagens em manuseio de revistas, livros, figuras, etc.
INSTRUMENTOS:
- Revistas, livros, TV, brinquedos, imagens na parede, etc.
LOCAL:
- Sala, solário, sala de recreação.

LINGUAGEM ORAL E ESCRITA:
CONTEÚDO:
- Incentivar o desenvolvimento da fala para que a criança manifeste seus desejos, não permitindo que ela só manifeste por gestos.
HABILIDADES:
- Incentivar e permitir a fala da criança em todas as atividades, falando corretamente com a criança;
- Ampliar o vocabulário da criança conversando com ela diariamente.
ATIVIDADES:
- Na hora do banho, alimentação, e nas conversas em geral.
INSTRUMENTOS:
- Conversas, músicas, livros, tv, etc.
LOCAL:
- Trocador, sala, solário, sala de recreação e refeitório.

MATEMÁTICA:
CONTEÚDOS:
- Noções de quantidade, cor e espaço em brincadeiras e musicas junto com o professor;
- Manipulação e exploração de objetos e brinquedos em situações organizadas;
HABILIDADES:
- Perceber quantidade, formas e cores;
NOÇÕES:
- De quantidade, formas e cores;
VALORES:
- Socialização;
- Independência e autonomia;
ATIVIDADES:
- Musicas e brincadeiras que envolvam noções de quantidade, cor, formas, tempo e espaço comparando medidas de mãos, pés, altura;
INSTRUMENTOS:
- Bolas, bexigas, peças de encaixe, sucatas, pelúcias e brinquedos diversos;
LOCAL:
- Sala, solário, quadra e sala de recreação.

PROJETO MEIO AMBIENTE
* Projeto meio ambiente será trabalhado através da reutilização de materiais recicláveis para a confecção de brinquedos.
* A percepção do meio ambiente como fonte de recursos naturais.
* Conscientização para conservação do meio ambiente.
AVALIAÇÃO
Através de registros contínuos, observando as crianças individualmente e em grupo, anotando suas descobertas, relações e manifestações, dificuldades e suas expressões relacionadas ao seu desenvolvimento.
E através dessa avaliação, possamos ter um instrumento de reflexão do nosso trabalho, tendo como referencia o que precisamos mudar o que pode continuar e o que melhorar.

Atualizações do Instagram

Topo