Planejamento anual–Berçário 2 e Maternal 1

 

na-creche

Fase marcada pela descoberta gradual da percepção da gerência das próprias ações através do meio que o cerca. Assim, as atividades para esta fase, devem ser pontuadas com oportunidades em que as crianças possam gradualmente dirigir suas próprias ações, ou seja, as crianças aprendem sobre si mesmas, suas próprias competências e estabelecem uma relação de interação e confiança com o outro mais próximo, aprendendo desta forma a lidar com a realidade.

OBJETIVOS

· Transmitir ambiente acolhedor e seguro;

· Trabalhar capacidades expressivas;

· Desenvolver formas alternativas de consciência corporal;

· Relação de independência com o ambiente vivido;

· Explorar e utilizar movimentos de preensão, encaixe, lançamento, etc;

· Expressar sensações e ritmos corporais através do gestual e linguagem oral;

· Desenvolver a audição, percepção e descriminação das diversas manifestações sonoras;

· Promover o desenvolvimento da coordenação motora grossa da criança;

· Dar ênfase à musicas, parlendas, contos, historietas, rimas, conversas para o desenvolvimento da linguagem oral, etc;

· Brincar;

· Expressar desejos, sentimentos, necessidades, sentimentos, etc;

· Relacionar-se progressivamente com seus pares e os demais;

· Conhecer gradualmente seu próprio corpo, seus limites, sensações, etc;

CONTEÚDOS

· Cuidados básicos de higiene e saúde como o incentivo ao uso do banheiro/
penico (controle de esfíncteres);

· Iniciativa gradual de desconforto perante a presença de urina e fezes;

· Incentivo ao uso de escova de dente;

· Estimulação verbal, através de conversas, audição de músicas, sons de brinquedos, contos de histórias curtas, etc;

· Incentivo a garatujas através de trabalhos manuais como pintura com lápis de
cor, giz de cera e tinta guache;

· Estímulo a traçados simples para coordenação motora;

· Estimulação e reconhecimento do próprio corpo com conversas, cantos, nomear partes do corpo, etc;

· Estimulação tátil com trabalhos manuais com massinhas e argila;

· Reconhecimento visual e tátil através de objetos coloridos, vídeos e livros de
histórias com sons e coloridos;

· Incentivo e reconhecimento de brincadeiras com brinquedos do tipo encaixe e
monta-desmonta;

· Incentivo a pedir auxílio em situações cotidianas sempre que necessário;

· Apresentação de cores;

· Interesse e incentivo em novos alimentos e comer sem ajuda (segurar a colher ou copinho com as mãos);

· Músicas com gestuais e cantigas de roda;

· Brincadeiras de imitação;

· Incentivo à oralidade procurando ampliar o vocabulário com músicas, histórias, conversas, etc;

· Realizações de pequenas ações cotidianas para que obtenha autonomia gradualmente;

· Brincadeiras livres na sala, no parquinho, para que possa escolher objetos, e espaços agradáveis, etc;

· Estimular a autonomia e identidade através do reconhecimento da imagem (atividade com espelho);

· Interagir socialmente por intermédio de brincadeiras e jogos que estimulam a criança trocar objetos;

· Respeito a regras, limites e boas maneiras, etc;

· Identificação de situações de risco e seu ambiente mais próximo;

· Participação e interesse em situações que envolva a interação social;

MOVIMENTO

No plano da consciência corporal, nessa idade a criança começa a reconhecer a imagem de seu corpo, o que ocorre principalmente por meio das interações sociais que estabelece diante do espelho. Nessas situações, ela aprende a reconhecer as características físicas que integram a sua pessoa, o que é fundamental para a construção de sua identidade. RECNEI, Vol. 3, p. 23).

· Explorar o movimento do próprio corpo em brincadeiras que envolva o canto, gestos, movimentos simultâneo, etc;

· Exploração do próprio corpo nas atividades de higiene como o banho, escovação
de dentes e lavagem das mãos;

· Atividades que permita a descoberta da própria imagem e do outro refletida no espelho;

· Mímicas faciais e gestuais, caretas, imitação de bichos, onomatopeias, etc;

· Participação em brincadeiras de roda ou de danças circulares;

· Cuidado com postura e expressão corporal;

· Brincadeiras de esconder com cabaninhas, lençóis, labirintos (riscos no chão com barbante, giz,etc), texturas, areia, etc;

· Brincadeiras com materiais que propiciem a descoberta e exploração do movimento;

· “Leitura” de histórias com tapetes, almofadas, e brinquedos que convide a concentração;

AVALIAÇÃO
- A avaliação do movimento deve ser documentada observando os aspectos referentes a expressividade do movimento e sua dimensão instrumental. Neste contexto, o professor deve atualizar sempre mudanças e conquistas do aluno em questão.

MÚSICA

Aprender música significa integrar experiências que envolvam a vivência , percepção e a reflexão, encaminhando-as para níveis cada vez mais elaborados. (RECNEI, Vol. 3, p. 48).

· Exploração e produção de materiais e a escuta de obras musicais;

· Imitação de sons vocais, corporais ou produzidos por instrumentos musicais;

· Participação em brincadeiras que tenha músicas e jogos cantados sem esforço vocal;

· Interagir com brinquedos e objetos sonoros de percussão como guizos, chocalhos, blocos, sinos, tambores, etc;

· Explorar sons corporais como palmas, batidas nas pernas, pés, etc;

· Explorar a presença do silêncio como valorização do som;

· Escuta de emissoras de rádio para trabalhar a relação som e silêncio;

· Participação em jogos cantados como parlendas, acalantos, advinhas, etc;

· Utilização de diversos instrumentos de percussão como xilofones, tambores,
chocalhos, etc;

AVALIAÇÃO
- A avaliação na área da música tem um caráter instrumental, ou seja, leva-se em conta as
respostas frequentes que estão sujeitas a alterações, tendo em vista não só a forma como as crianças pensam e sentem, mas a natureza do conhecimento musical.

ARTESVISUAIS

As Artes Visuais estão presentes no cotidiano da vida infantil. Ao rabiscar e desenhar no chão, na areia e nos muros, ao utilizar materiais encontrados ao acaso (gravetos, pedras, carvão), ao pintar os e até mesmo seu próprio corpo, a criança pode utilizar-se das Artes Visuais para expressar experiências sensíveis. (RECNEI, Vol. 3, p. 85).

· Ampliação do conhecimento de mundo manipulando e explorando diferentes objetos e materiais como texturas, tecidos, massinha de farinha de trigo, tinta a base de anilina e trigo, etc;

· Observação e identificação de imagens diversas;

· Utilização de instrumentos e materiais diversos como papéis, tintas, pincéis, lápis, cola, etc;

· Oferecimento de sucatas que possam ser empilhadas, encaixadas, justapostas, etc, em atividades de jogos de construção;

· Atividades com desenho e pinturas realizadas com marcas gráficas em diferentes superfícies permitindo variadas possibilidades de impressão, inclusive no próprio corpo;

· Representação da própria imagem, sentimentos e experiências corporais;

· Utilizar diferentes tipos de objetos para imprimir imagens como pincéis, escova de dente, dedos, esponjas, canudos, carimbos, penas, giz de cera, gravetos, palitos, conta-gotas, cotonetes, pentes, barbantes, etc;

· Identificar os cuidados necessários como o contato com o próprio corpo e com o corpo dos outros nas atividades trabalhadas nesse conteúdo, principalmente boca, olhos, nariz, pele, quando do manuseio desses materiais, instrumentos e objetos para que não provoque nenhum dano a saúde da criança;

· Cuidados com materiais de uso individual e coletivo;

· Representações em desenho livre ou de foi observado;

· Estabelecer relações por meio de apreciações com seu universo coa pessoas, animais, cenas familiares, formas, linhas, etc;

· Observação de corpos em movimento pesquisados em revistas, fotos, vídeos, etc;

AVALIAÇÃO
- A avaliação na área das Artes deve ser a partir da exploração de diversos materiais e a possibilidade de expressar-se por meio deles.

LINGUAGEM ORAL E ESCRITA

Aprender uma língua não é somente aprender as palavras, mas também os seus significados culturais, e, com eles, os modos pelos quais as pessoas do seu meio sociocultural entendem, interpretam e representam a realidade. (RECNEI, Vol. 3, p. 117)

· Uso da linguagem oral em conversas e comunicação na manifestação de desejos, vontades, necessidades, sentimentos e diversas interações sociais presentes no dia-a-dia;

· Observação e manuseio de materiais impressos como livros, jornais, revistas, etc;

· Participação em situações de leitura e escrita de diferentes gêneros como histórias infantis, lendas, parlendas, etc;

· Ampliação das capacidades linguísticas na produção de palavras novas e frases com fluência;

· Desenvolvimento da linguagem escrita diante de ambiente de Letramento com jornais,
livros, gibis, rótulos, etc ;

· “Ler” jornais, revistas, gibis, encartes de jornais, histórias infantis, etc;

· Produção de textos tendo como “escriba” o (a) professor (a);

· Atividades de oralidades e escuta com músicas, parlendas, contos, versos, poemas, etc;

· Utilização de textos impressos como recurso para o Letramento como embalagens, cartazes, cartas, cartões postais, slogans, etc, tendo a preocupação de lê-los para as crianças e registrar em papel a vista quando houver necessidade;

· Utilização de variados jogos de escrita, de acordo com a faixa etária, ou letras móveis, etc;

· Utilização do gravador de voz como recurso didático para posterior audição da fala, em entrevistas, leituras de poesias, músicas, conversas, perguntas e respostas, etc;

· Uso do computador para que as crianças tenham acesso a máquina, ao teclado, edições de textos com letras, nomes, etc, sempre com o auxílio do professor (a);

AVALIAÇÃO
- A avaliação nesta área, ocorre sempre em participação de interlocução, interação e exploração da linguagem oral e também na presença de materiais escritos,desde que se vivencie o prazer.

NATUREZA E SOCIEDADE

No trabalho com esse eixo, as crianças tomam gradativamente a consciência do mundo que a cerca… Reconhece os fenômenos sociais e naturais identificadas no contexto nos quais ocorrem. (RECNEI, Vol. 3, p. 169).

· Brincadeiras vinculadas a cultura;

· Exploração e manipulação do ambiente natural (contato com plantas, animais areia, etc);

· Interação social para a construção de uma visão de mundo natural significativa;

· Possibilidade de ampliação do repertório de conhecimentos a respeito do mundo social e natural;

· Interação com adultos e crianças de idades diferenciadas em brincadeiras, exploração de espaços, contato com a natureza, etc;

· Noções básicas necessárias com o trato com animais, identificação de perigos que oferecem e higiene ao tocá-los, etc;

· Atividades que constituam experiências com as plantas, seu cultivo, cuidados, preservação, etc;

· Refletir sobre seu meio social e sua ação na sociedade e na natureza;

· Observação e percepção dos componentes da paisagem local e se possível das mudanças ocorridas nelas;

AVALIAÇÃO
- A avaliação na área da Natureza e Sociedade é entendida como fonte valiosa de informação sobre o processo de interação social e o aprendizado na exploração do ambiente imediato. O contato com a natureza é de fundamental importância para expor ideias, hipóteses e opiniões. Nesse caso, o professor(a) deve oportunizar atividades relevantes e prazerosas para que possa haver um verdadeiro exercício de avaliação.

MATEMÁTICA

As noções matemáticas (contagem, relações quantitativas e espaciais, etc) são construídas pelas crianças a partir das experiências proporcionadas pelas interações com o meio, pelo
intercâmbio com outras pessoas que possuem interesses, conhecimentos e necessidades que podem ser compartilhados. As crianças têm e podem ter várias experiências com o universo matemático e outros que lhes permitem fazer descobertas, tecer relações, organizar o pensamento, o raciocínio lógico, situar-se e localizar-se espacialmente. (RECNEI, Vol. 3, p. 213).

· Utilização de contagem oral de números em músicas, jogos cantados, brincadeiras, etc para que reconheçam que estas estão presentes no cotidiano;

· Comunicação, manipulação e exploração de quantidades numéricas utilizando a linguagem oral;

· Observação de escritas numéricas nos diferentes contextos em que se encontram;

· Utilização de circuitos numéricos para andar, pular, correr;

· Refletir e identificar sobre as possibilidades de estabelecer variadas relações de comparação, quantidades, representações mentais, etc;

· Noção da relação dos conceitos matemáticos entre objeto e quantidade;

· Atividades como construções de torres, pistas de carrinhos e cidades com
blocos de madeira ou encaixe para representar o espaço numa outra dimensão;

· Organizar espaços com brinquedos e objetos que contenham números como telefones, relógios, máquina de calcular, etc;

· Utilização do recurso do tempo com calendários, números de alunos presentes e ausentes na chamadinha, contagem de quantos dias faltam para o aniversário ou qualquer outro evento, etc;

· Comparações do tamanho dos pés, altura, pesam em gráficos;

· Utilização de jogos com números;

· Contagem oral e visual de sequência numérica;

AVALIAÇÃO
- A avaliação nessa faixa etária está centrada na relação de diálogo na resolução de problemas, responder perguntas, comunicar e registrar e comunicar qualquer ideia matemática.

Pedagoga

Cecília Alcântara

0 comentários:

Postar um comentário

Obrigada por comentar! Dicas, sugestões, perguntas serão bem vindas. Responderei seu recadinho aqui mesmo.
Se desejar uma resposta por E-mail envie o comentário para fliver5@gmail.com
Lembre-se que você é muito especial para Deus.
Beijos