4/27/2012

Direitos fundamentais das crianças atendidas em creches e berçários - Parte 9

 

Mae_bebe_1_

Nossas crianças têm direito à proteção, ao afeto e à amizade

  • Nossas crianças sabem que são queridas quando percebem que suas famílias são bem-vindas e respeitadas na creche;
  • Nossa creche respeita as amizades infantis;
  • Nossa creche valoriza a cooperação e a ajuda entre adultos e crianças;
  • Nossas crianças encontram conforto e apoio nos adultos sempre que precisam;
  • Procuramos entender porque a criança está triste ou chorando;
  • Procuramos ajudar as pessoas da equipe quando enfrentam problemas pessoais sérios;
  • Procuramos não interromper bruscamente as atividades das crianças;
  • Evitamos situações em que as crianças se sintam excluídas;
  • Evitamos comentar assuntos relacionados com as crianças e seus
    familiares na presença delas;
  • Nossas crianças, mesmo quando brincam autonomamente, não ficam sem a proteção e o cuidado dos adultos;
  • Conversamos e brincamos com os bebês quando estão acordados;
  • Nossas crianças recebem atenção quando nos pedem ou perguntam alguma coisa;
  • Procuramos proteger as crianças de eventuais agressões dos colegas;
  • Ajudamos as crianças a desenvolver seu auto-controle e aprender a lidar com limites para seus impulsos e desejos;
  • Explicamos as crianças os motivos para comportamentos e condutas que não são aceitos na creche;
  • Nunca deixamos de procurar entender e tomar providências quando nossas crianças aparecem na creche machucadas e amedrontadas.

Em Critérios para a unidade creche
Por Maria Malta Campos

4/20/2012

Direitos fundamentais das crianças atendidas em creches e berçários - Parte 8

 

                                                      Imagem de escola Girasssol

Nossas crianças têm direito ao movimento em espaços amplos

  • Nossas crianças têm direito de correr, pular e saltar em espaços amplos, na creche ou nas suas proximidades;
  • Nossos meninos e meninas têm oportunidade de jogar bola, inclusive futebol;
  • Nossos meninos e meninas desenvolvem sua força, agilidade e equilíbrio físico nas atividades realizadas em espaços amplos;
  • Nossos meninos e meninas, desde bem pequenos, podem brincar e explorar espaços externos ao ar livre;
  • Nossas crianças não são obrigadas a suportar longos períodos de espera;
  • Os bebês não são esquecidos no berço;
  • Os bebês têm direito de engatinhar;
  • Os bebês têm oportunidade de explorar novos ambientes e interagir com outras crianças e adultos;
  • As crianças pequenas têm direito de testar seus primeiros passos fora do berço;
  • Reservamos espaços livres cobertos para atividades físicas em dias
    de chuva;
  • Organizamos com as crianças aquelas brincadeiras de roda que aprendemos quando éramos pequenos;
  • Procuramos criar ocasiões para as famílias participarem de atividades
    ao ar livre com as crianças.

Em Critérios para a unidade creche
Por Maria Malta Campos

Projeto Pedagógico Alimentação Saudável



Duração: 1 mês
Período: Maio
Público Alvo: Alunos da Educação Infantil/Fundamental

Objetivos:

  • Incentivar aos bons hábitos alimentares;
  • Identificar as preferências alimentar dos alunos;
  • Conscientizar os alunos sobre a importância e os motivos pelos quais nos alimentamos;
  • Reconhecer os alimentos que faz bem à nossa saúde;
  • Identificar cores, textura e os diferentes sabores dos alimentos.
  • Definir o que é alimentação saudável.
  • Diferenciar frutas, verduras e legumes, bem como a importância desses alimentos para nossa saúde.
  •  Incentivar o consumo de frutas, verduras e legumes.
  • Conhecer a importância das vitaminas na saúde.
  • Identificar informações contidas nos rótulos de produtos industrializados.
  • Compreender os prejuízos causados pelo consumo excessivo de balas, refrigerantes e frituras.
  • Aprender o que significa a pirâmide alimentar.
  • Aprender algumas receitas de alimentos saudáveis.
  • Evitar o desperdício de alimentos.
Conteúdos curriculares
– Ciências: alimentação saudável.
– Língua Portuguesa: produção de receitas, respeitando o gênero textual; leitura e interpretação de textos informativos sobre o tema; entendimento das informações contidas nos rótulos dos alimentos industrializados.
– Matemática: unidades de medida usadas nas receitas, valor nutricional dos alimentos, criação de tabelas.
– História: valor cultural da alimentação (alimentos de origem indígena, africana ou europeia).
– Arte: representação por meio de desenhos dos alimentos estudados, confecção da pirâmide de alimentos.

Sugestões de Atividades
·        Salada de frutas para degustação;
·        Contagem de frutas, cores, tamanho;
·        Confecção de carimbos com batata;
·        Explorar verduras cores e texturas;
·        Fazer com os alunos uma sopa utilizando cenoura, chuchu, beterraba, batata;
·        Trabalhar com os alunos rótulos de embalagens de alimentos
Utilizar as embalagens trazidas pelos alunos e montar um mural com informações de cada alimento;
·        Montar uma horta na escola;
·        Junto com os alunos lavar os alimento e mostrar os cuidados que devemos ter com os alimentos. Lavar antes de comê-los, comer alimentos naturais e saudáveis.
·        Fazer a degustação de tomate, alface, cenoura;
·        Fazer uma vitamina de frutas: Explorar com os alunos as frutas que serão utilizadas na vitamina - banana e maçã.
·        Trabalhar a importância do leite no desenvolvimento da criança;
·        Mostrar que alguns alimentos devem ser consumidos com moderação
Confeccionar um mural com esses alimentos. Exemplos de alimentos que devem ser consumidos com moderação: pirulito, chiclete, balas, doces, refrigerantes, entre outros;
·        Piquenique coletivo;
·        Construir charadas que misturem informações sobre a forma, a cor, o tamanho e o modo usual de consumo. Exemplo: É vermelha, redondinha, cabe na nossa mão. Podemos comê-la com casca ou sem. Ela é a. (maçã);
·        Colocar em uma caixa surpresa, várias frutas e legumes, vendar os olhos da criança e através do olfato e tato, ela deverá descobrir o que escolheu para pegar.
·        Realizar uma oficina de culinária. Nela fazer receitinhas fáceis como saladas de frutas, sucos, vitaminas, bolos, biscoitos, saladas de legumes, sopas. Tudo sobre a orientação dos educadores.
·        Fazer uma feira de exposições com alimentos diversos. Destacando os vários tipos de alimentos: saudáveis e não saudáveis.
·        Montar cartazes, murais, ver desenhos ligados ao tema;
·        Construir fantoches de verduras e legumes, fazer teatrinho com eles;
·        Criar um livro de receitas para a mamãe;
·        Fazer colagens, dobraduras, pinturas, modelagens, jornalzinho;
·        Amigo oculto de frutas.

4/19/2012

1º de Maio: Dia do trabalhador- Projeto Pedagógico



Dia do Trabalhador – a origem do conhecido Dia 1° de Maio é devido a uma histórica mobilização de trabalhadores ocorrida em Chicago no século XIX.
No Brasil o Dia do Trabalhador é assumido como “Dia do Trabalho” por muitas pessoas, mas é uma denominação errada assim como as piadinhas do assunto.
“Trabalhadores do Brasil” assim Getúlio Vargas começava normalmente seus discursos.
É difícil de se imaginar, mas até a presidência de Getúlio Vargas o trabalhador não tinha direito a férias, aposentadoria e a quantidade de horas trabalhadas era imposta pelo patrão. Não existia também a Carteira de Trabalho.
A Data definitiva do Trabalhador é o 1° de Maio de 1943, quando a CLT foi assinada em São Januário, pois o estádio do Vasco era o maior do Brasil na época e onde Getúlio Vargas promovia eventos que teriam inicialmente caráter cívico.
E qualquer outra dúvida se o nome correto e Dia do Trabalhador ou Dia do Trabalho, basta usar a analogia das profissões. O certo é Dia do Professor e não dia da Escola, Dia do Comerciário e não Dia do Comércio, Dia do Médico e não Dia da Medicina, etc.


No Blog da Alessandra Miotro http://alessandramiotto.blogspot.com.br encontrei esses lindos dedoches das profissões


Moldes




Desenhos para colorir





Sugestões de atividades para o maternal 3


Imagem em http://educador.brasilescola.com



  • Oferecer revistas com figuras diversas, tanto conhecidas como novas ampliando seu conhecimento;
  •  Identificar objetos e animais incompletos, solicitando que identifique a figura como um todo;
  • Rasgar folhas de revista e tentar juntar reconstruindo a figura;
  • Fazer a chamada utilizando a ficha com o nome próprio permitindo que a criança reconheça o seu nome no conjunto dos demais;
  • Oferecer livros ilustrados com pequenas histórias para as crianças manusearem;
  • Brincar com a criança associando o som ao conceito do objeto. EX.: Miau para o gato, piu piu para o pintinho, e au au para o cachorro, etc;
  • Oferecer objetos concretos, estimulando-os a discriminá-los;
  • Oferecer embalagens vazias para que a criança possa empilhar, enfileirar ou brincar livremente;
  • Mostrar o livro de história após Ter lido, solicitando que aponte personagens;
  • Proporcionar oportunidades de ouvir músicas clássicas e populares;
  • Memorizar pequenos trechos de poemas, parlendas ou canções;
  • Oferecer caixas de diversos tamanhos e formas, para a criança enfileirar para a menor ou encaixar uma dentro da outra;
  • Oferecer lápis de cor, canetas, giz de cera, giz colorido e papéis diversos para a criança rabiscar livremente, sem levar em conta a grafia do trabalho;
  • Oferecer giz colorido para rabiscar no chão, no pátio e no quadro;
  • Estabelecer e ler os combinados com a turma;
  • Permitir que ela faça o reconto de pequenos trechos das histórias contadas pelo educador;
  • Interagir com as crianças na hora da alimentação, dizendo o nome dos alimentos que lhes são oferecidos;
  • Manusear revistas infantis e identificar alguns personagens;
  • Rasgar, amassar, jornais e folhas de revistas, em seguida amassá-los;
  • Brincar com corda passando por cima e por baixo da mesma;
  • Cantar acompanhando o ritmo com instrumentos ou objetos que produzem sons;
  • Percorrer linhas diversas desenhadas no chão ( retas, curvas, sinuosas, etc.);
  • Imitar sons, gestos sugeridos por um modelo.
MATERIAIS

  • Jogos diversos de montar e desmontar;
  • Jogos de madeira e plásticos desmontáveis;
  • Massa de modelar e argila;
  • Tinta guache, aquarela, tinta de dedo, etc;
  • Materiais representativos da realidade: bonecas, carrinhos, panelinhas, telefone, espelho, banquetas, bolsas, etc;
  • Bolas de diversos tamanhos e cores;
  • Casinha de boneca, corda;
  • Jogos simples de completar figuras;
  • Caixas de papelão de variados tamanhos;
  • Quebra cabeça simples.


Sugestões de atividades para o maternal 1



  • Imagem da Revista Crescer
  • Manusear livros de histórias (pano ou de plástico);
  • Manusear revista e revistas infantis;
  • Histórias à vista das gravuras do livro (histórias pequenas);
  • Histórias contadas pelo educador com o apoio de fantoches;
  • Fazer o reconto das histórias lidas (professor);
  • Apresentar papéis de diferentes texturas para a criança amassar, rasgar, embolar;
  • Colocar nome no escaninho pessoal, o nome do aluno e mostrar-lhe;
  • Oferecer canetas, lápis colorido, giz de cera e deixa-la rabiscar livremente;
  • Cantar ou recitar parlendas, poesias, músicas ou quadras, dando estímulos para que a criança antecipe ações. EX.: parabéns pra você. Espera-se que a criança bata palmas logo que comece a canção;
  • Solicitar à criança que antecipe gestos e ações às atividades de rotina do dia. EX.: Apanhar a lancheira na hora da merenda;
  • Ajudar o aluno a identificar objetos e figuras de pessoas conhecidas;
  • Trabalhar diariamente os combinados com o apoio dos fantoches;
  • Registrar a rotina no quadro;
  • Oferecer encartes ou cartão com rótulos de produtos diversos para que a criança identifique;
  • Brincar de empilhar caixas vazias de embalagens diversas;
  • Recitar parlendas, quadras ou poemas nos deslocamentos feitos na escola;
  • Imitar sons e gestos sugeridos por um modelo;
  • Soltar objetos dentro de uma caixa;
  • Soltar e pegar no ar sem deixar cair pena, algodão, papel picado;
  • Empurrar caixas de vários tamanhos com os pés;
  • Enfileirar blocos, embalagens, caixas, etc;
  • Saltar pequenos obstáculos;
  • Bater bola no chão e agarrar em seguida;
  • Encaixar blocos em orifícios diversos;
  • Solicitar a criança em diferentes situações que atenda a ordens simples como pegar um brinquedo, ninar a boneca, pega o lápis, etc;
  • Contar e ler histórias diariamente (pode repetir a história);
  • Estimular à criança a lembrar atividades não rotineiras. EX.: após um passeio ou um filme assistido que nomeie as coisas que viu;
  • Rasgar folhas de revistas e tentar unir os pedaços reconstruindo as figuras;
  • Brincar de esconder objetos à vista da criança, solicitando em seguida que ela encontre;
  • Brincar de dar passos grandes e pequenos, para que ela adquira as noções de dimensão espacial em relação ao próprio corpo;
  • Oferecer cubos diversos para fazer “torres e fileiras”;
  • Colocar as crianças em frente ao espelho, pedindo que mostre algumas partes de seu corpo;
  • Fazê-la sentir necessidade de pedir o que deseja, dizendo o nome não apenas apontando;
  • Pedir que diga seu próprio nome ou apelido;
  • Oferecer jogos de encaixe diversos e deixá-la brincar livremente;
  • Brincar com a criança de jogos de encaixar, montar, desmontar, derrubar, etc;
  • Fornecer a variedade de materiais que estimulem os diferentes sentidos (visão audição, tato, etc.) permitindo intensa manipulação;
  • Oferecer lápis de diferentes tipos de papel para que rabisque, não levando em conta seu tipo de expressão;
  • Valorizá-las nas suas recém adquiridas habilidades;
  • Assistir programas ou desenhos infantis selecionados na televisão;
  • Incentivar o aluno a desenvolver hábitos de higiene. EX.: lavar e secas as mãos antes de se alimentar, escovar dentes, etc.;
  • Brincar de entrar em caixas de papelão;
  • Apresentar a ficha ou crachá com nome próprio e nomeá-lo para a criança;
  • Levar a criança a imitar a voz dos personagens das histórias trabalhadas;
  • Levar a criança a identificar figuras e objetos familiares e pessoas, inclusive a si mesma;
  • Incentivar a criança a destampar caixas diversas, para procurar o que tem dentro.

                    MATERIAIS QUE PODEM SER USADOS

  • Jogos de borracha ou plástico desmontáveis;
  • Brinquedos representativos de sua realidade (carrinhos, panelinhas, bonecas, bichinhos, etc.);
  • Blocos diversos para montar;
  • Cubos de diversos tamanhos;
  • Lápis de cera, giz, pincéis, tintas, lápis de cor, etc;
  • Espelho grande na parede;
  • Brinquedos sonoros;
  • Caixas com orifícios;
  • Embalagens diversas, vazias;
  • Fantoches;
  • Bolas, bonecas, brinquedos para brincar de casinha;
  • Caixas de papelão de vários tamanhos;
  • Regador, brinquedos de puxar;
  • Copos de plástico e potes de iogurte;
  • Fichas com o nome dos alunos;
  • Argolas coloridas;
  • Potes, garrafas, latas fechadas, contendo dentro materiais diversos (areia, arroz, feijão, milho, etc.);
  • Brinquedos coloridos e sonoros;
  • Instrumentos musicais;
  • Painéis com vários estímulos para exploração;
  • Papeis coloridos de texturas variadas;
  • Revistas e revistas infantis;
  • Massa plástica, lixas, etc.

4/14/2012

Dia do Índio - Lembrancinhas












Modo de fazer:
Corte um quadrado no tnt do tamanho da criança;
Corte a parte da cabeça um decote V, que dê para passar a cabeça da criança.
Cole as laterais da roupa, deixando o buraco da manga.
Faça as tiras e decore com eva.
Para a lança, faça um canudinho de jornal,
penas de galinha tingida com anilina,
caso não queira as penas da galinha, faça com papéis coloridos.
Para o cocar, da mesma forma, use o jornal para fazer o apoio da cabeça, penas coloridas, pedacinhos de eva.
Indiozinho!
MOLDE
CASAL DE ÍNDIOS
MOLDE



Onde encontrei:

http://cantinhodaanatrindade.blogspot.com.br
http://suzettepaula.blogspot.com.br
http://coisasparaprofessoras.blogspot.com.br
http://cantinhominimaternalmaternal.blogspot.com.br
http://jacirinha.blogspot.com.br



Direitos fundamentais das crianças atendidas em creches e berçários - Parte 7

 

Nossas crianças têm direito a desenvolver sua curiosidade, imaginação e capacidade de expressão

leitura-bebes-entorno-tvg

                                                    Imagem do site Nova Escola

  • Nossas crianças têm direito de aprender coisas novas sobre seu bairro, sua cidade, seu país, o mundo, a cultura e a natureza;
  • Valorizamos nossas crianças quando tentam expressar seus pensamentos, fantasias e lembranças;
  • Nossas crianças têm oportunidade de desenvolver brincadeiras e jogos simbólicos;
  • Nossas crianças têm oportunidade de ouvir músicas e de assistir teatro de fantoches
  • Nossas crianças são incentivadas a se expressar através de desenhos, pinturas, colagens e modelagem em argila;
  • Nossas crianças têm direito de ouvir e contar histórias;
  • Nossas crianças têm direito de cantar e dançar;
  • Nossas crianças têm livre acesso a livros de história, mesmo quando ainda não sabem ler;
  • Procuramos não deixar as perguntas das crianças sem resposta;
  • Quando não sabemos explicar alguma coisa para as crianças, sempre que possível procuramos buscar informações adequadas e trazê-las posteriormente para elas;
  • Sempre ajudamos as crianças em suas tentativas de compreender as coisas e os acontecimentos à sua volta;
  • Não reprimimos a curiosidade das crianças pelo seu corpo;
  • Não reprimimos a curiosidade sexual das crianças;
  • Bebês e crianças bem pequenas aproveitam a companhia de crianças maiores para desenvolver novas habilidades e competências;
  • Crianças maiores aprendem muito observando e ajudando a cuidar de bebês e crianças pequenas;
  • Não deixamos nossas crianças assistindo televisão por longos períodos;
  • As famílias são informadas sobre o desenvolvimento de suas crianças.

Em Critérios para a unidade creche
Por Maria Malta Campos

4/01/2012

O significado do CORDEIRO DA PÁSCOA

Embora tido como símbolo da Páscoa cristã (representando Cristo, que é o filho e "Cordeiro de Deus", sacrificado em prol de todo o rebanho, a humanidade), o cordeiro já era muito importante na Páscoa judaica e em vários cultos da Antiguidade, em que era freqüente o sacrifício de animais aos deuses.

A Páscoa para os cristãos é a festa que comemora a ressurreição de Jesus Cristo. Para os judeus, os descendentes dos hebreus, a Páscoa (pessach) é a festa que comemora há mais de 3.000 anos a saída dos hebreus do Egito, onde eram escravos. Embora sejam acontecimentos diferentes, tanto a Páscoa cristã como a judaica tem o mesmo sentido: a libertação.

Nesta comemoração judaica, Moisés conduziu seu povo pelo Mar Vermelho e deserto do Sinai, e ficou para sempre como um marco na história do povo hebreu. Antes de partir, cada família deveria preparar a última refeição para a longa viagem que fariam pelo deserto. A refeição incluía um cordeiro assado, pães ázimos (sem fermento, para lembrar que saíram com pressa do Egito) e ervas amargas (para lembrar do sofrimento do povo no deserto, rumo à Terra Prometida).

Todas as casas deveriam passar o sangue do cordeiro nos umbrais das portas, como sinal da submissão a Deus e também para preservar a vida. Esta Páscoa, para os hebreus, representou um tempo de esperança e libertação, a passagem pelo deserto para chegar a um lugar preparado por Deus, muito melhor de se viver. Nos anos seguintes, continuou sendo lembrada com um ritual especial.

Todo ano, na noite de lua cheia de primavera no Hemisfério Norte (entre 22 de março e 24 de abril, outono para nós no Hemisfério Sul), os hebreus passaram então a celebrar a Páscoa, com o sacrifício de cordeiro e o uso dos pães ázimos, conforme a ordem recebida por Moisés.

Já na Páscoa cristã, Jesus ofereceu seu corpo e sangue assumindo metaforicamente o duplo sentido da Páscoa judaica: sentido de libertação e de aliança. No Novo Testamento, Cristo é o Cordeiro de Deus, sacrificado em prol da salvação de toda a humanidade. É a nova Aliança de Deus realizada por Seu Filho, agora não só com um povo, mas com todos os povos.

As tradições nas comemorações de Páscoa variam de país para país, porém sempre lembram de uma forma mística a vida e a libertação. Os símbolos mais conhecidos acabaram por ser a união de arquétipos mais fortes de algumas culturas: os ovos (que representam o nascimento), o chocolate (considerado sagrado pelos maias e astecas), o coelho (símbolo máximo da vida, fertilidade inesgotável) e o cordeiro. 

Fonte: Fonte: Revista Menu


Cordeirinhos para colorir










Encontrei esses desenhos no Picasa da Maria Aparecida Siva (Link aqui)

Atualizações do Instagram

Topo